quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Fibromialgia

A Fibromialgia é uma síndrome crónica caracterizada por dor músculo-esquelética difusa, presente pelo menos 3 meses e pela presença de pontos dolorosos em regiões anatomicamente determinadas – pelo menos 11 dos 18 Trigger Points.

A sua etiologia ainda é desconhecida. Sabe-se que vários factores contribuem para a sua ocorrência, mas não há um agente que possa ser responsabilizado como causador.

Existem outras manifestações associadas, tais como: fadiga crónica, distúrbios do sono, rigidez muscular, parestesias, cefeleias, síndrome do cólon irritável, fenómeno de Raynaud (vasoconstrição que causa descoloração dos dedos das mãos e pés e ocasionalmente outras extremidades), assim como a presença de distúrbios psicológicos, em especial ansiedade e depressão.

A fibromialgia não é uma doença psicossomática nem do foro psiquiátrico; não provoca comprometimento das articulações nem deformações de qualquer género para além de não ser um problema transmissível. No entanto a fibromialgia consegue ser demasiado debilitante quer a nível físico quer psicológico incapacitando muitas vezes a pessoa quer para a sua vida profissional, social ou familiar, podendo mesmo incapacitá-la para as rotinas mais simples do seu dia a dia.

Apesar disso, a aparência da pessoa com fibromialgia é completamente normal, razão pela qual este problema foi bastante ignorado durante anos pela maioria dos profissionais de saúde que frequentemente atribuíam tal problema apenas à cabeça da pessoa.

Isso também porque todos os exames e análises não mostravam (nem mostram) qualquer alteração existente nas pessoas que sofrem de fibromialgia em relação às pessoas ditas normais.

Felizmente que hoje com a divulgação da fibromialgia e de todo o problema, começa a surgir uma grande compreensão quer da parte dos profissionais de saúde quer da parte dos familiares encontrando-se hoje em dia a pessoa muito mais apoiada e acompanhada por todos aqueles que de alguma forma a tentam ajudar.



Em que pode ajudar um Terapeuta Ocupacional?

Os Terapeutas Ocupacionais têm uma formação que lhes permite intervir ao nível da reabilitação física e mental, oferecendo um vasto leque de serviços, nomeadamente:
  • Avaliar a forma como executa as suas tarefas diárias e analisar se estas estão a contribuir para o deteriorar do seu estado de saúde;
  • Ensinar técnicas de relaxamento muscular, formas de lidar com situações de stress, técnicas de gestão da dor e organização das suas rotinas mediante o seu nível de funcionalidade;
  • Se o seu trabalho ou actividades de casa aumentam a dor no pescoço, costas e membros, o Terapeuta poderá fornecer dicas para desempenhar as tarefas reduzindo a tensão muscular;
  • Programar exercícios terapêuticos com o objectivo de melhorar a função dos membros e reduzir a dor.
É também de salientar todas as técnicas que reduzem a tensão acumulada nos Trigger Points, contribuindo assim para o alívio da dor. Os exercícios de alongamento muscular também são bastante eficazes na melhoria da dor. É essencial que se faça sempre uma adaptação dos exercícios de acordo com a dor referida pela cliente.

Enquanto a etiologia da fibromialgia não é descoberta, os tratamentos propostos para o controlo dos sintomas constituem a única forma de amenizar o impacto da síndrome. No entanto, há melhorias bastante significativas (alguns autores afirmam haver cura para esta sindrome).

9 comentários:

susana disse...

Bem...

Bom ano estava a ficar com os cabelos em pé. A minha terapeuta favorita não aparecia mais?

Parabens pelo artigo

tiago matias disse...

Oi

Que bom ter-te de volta.

Bom artigo

Tenho muito interesse nesse assunto

Obrigado por teres voltado a postar.

Carlos Guilherme disse...

Ola

Tambem gostei deste artigo. Resume muito bom para quem estuda.

Conforme disse no outro comentario, é bom poder recolher informações aqui.

Pedro Ramalho disse...

Boa tarde

Queria perguntar-te o que achas do

aparelho Standart na reabilitação

com crianças.

Obrigada

patricia almeida disse...

Ola

Artigo muito interessante.

Katia Araujo disse...

Senhora Dra.

Desculpe estar a fazer algumas perguntas a cerca deste assunto, mas infelizmente a classe médica, que deveria dar atenção a estes casos não dá e a explicações que lhe pedimos obtêmos respostas muito vagas.

Tenho 38 anos e estou casada a 12 anos. O meu marido tem 40 e sempre toda a vida foi um homem activo no seu trabalho (vendedor) A um ano Foi-lhe diagnosticado a Fibromialgia ele começou a movimentar-se com dores, a fadiga é muita, o sono aparece a todo o momento, e como é evidente tem uma depressão muito acentuada.

Ele toda a vida foi muito atlético ate o aparecimento da doença ele fazia ginásio 5 dias por semana, sempre fez desporto e de um momento para o outro ficou assim.

Fui falar com o medico dele para tentar ajuda-lo pois não consigo vê-lo mais nesta situação. O médico, fez-me muitas perguntas na qual respondi a todas mentindo somente numa por vergonha.

A questão colocada era sobre a nossa actividade sexual que é praticamente nula a 3 anos ou seja 2 anos antes de ser diagnosticado a doença.

Tentei perguntar a minha médica a importância desta situação para este caso a resposta que obtive da mesma foi vaga.

Como o motivo dessa ausência é minha, necessitava de esclarecimento sobre este assunto.

Pode-me ajudar?

Muito obrigado

Magda Rebelo Jacinto disse...

Em primeiro lugar as minhas desculpas por esta ausência, mas a mesma deveu-se a doença de um familiar.

Relativamente à questão do Pedro Ramalho, quero dizer-lhe que segundo análise efectuada nos artigos técnicos existentes, o equipamento standarte parece-me bastante completo, sendo possível trabalhar diferentes competências da criança. No entanto, alerto para que esse aparelho é mais utilizado no Brasil. Em Portugal há poucas instituições a trabalhar com ele.

Quanto a questão que a Katia Araújo coloca vou tentar dar alguma orientação.

Em primeiro lugar a actividade sexual é fundamental para o equilíbrio físico e emocional de qualquer pessoa. Existem estudos que relacionam a frequência da actividade com: o bem-estar da pessoa, a diminuição do stress, as doenças cardiovasculares, entre outras.

Mas com isso não quero dizer que a ausencia da sua actividade sexual tenha desencadeado a doença do seu marido.

Não se penalize, o passado já lá vai. Há que agora ter atenção ao Futuro, e aí sim, terá que ter alguma atenção.

A Fibromialgia é uma doença que dá, por vezes, muitas dores articulares, podendo as mesmas ser dolorosas durante o acto sexual.
Terão que dialogar sobre o assunto e pedir aconselhamento técnico para o mesmo.

Continuo disponível para qualquer esclarecimento.

Magda Jacinto

Katia Araujo disse...

Muito Obrigado

Agradeço as suas explicações.

Fiquei mais esclarecida

Mais uma vez obrigado

Susana disse...

Bem...

Quem é vivo sempre aparece.

Gostei da resposta

Terapeuta e agora também sexóloga quem diria

Continua ok?